O pequeno Eu, os meus pequenos Meninos e os nossos pequenos Momentos...que de tão pequenos que são se tornam grandes em tudo!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Sempre a crescer

"Autonomia: do grego, autos, por si só, mais nomós que pode ser duas coisas, lei, e ao mesmo tempo, território."

A autonomia é uma das condições básicas para conviver com riscos e incertezas, que são uma constante na nossa sociedade.

Para as crianças é, na maioria das vezes, algo muito difícil de atingir, essencialmente porque para se adquirir é necessário que se reúnam todos os alicerces cognitivos e fisiológicos criados ao longo de muitas interacções.
Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a autonomia nas crianças deve ser ensinada e trabalhada através de tentativas e erros, tal como elas o fazem ao andar, falar e por aí fora, tornando-se assim uma aquisição e uma conquista como tantas outras.
É um processo lento muitas vezes, é preciso ter persistência e paciência.
Não podemos exigir que as crianças sejam autónomas de um momento para o outro, sem nunca lhes termos ensinado ou demonstrado o que isso é e como se faz.



terça-feira, 18 de maio de 2010

Coração

Todos temos uma criança dentro de nós e todos aprendemos a reprimi-la para sermos adultos.
Crescemos e temos que tornar-nos sérios.
Quantas vezes já ouvimos dizer: "deixa-te de criancices"?
E desde quando é que precisamos  de deixar de ser crianças?




quarta-feira, 5 de maio de 2010

"Anda cá que eu ajudo!"


A selecção da fotografia foi baseada na observação e análise do grupo em geral.
Na minha opinião uma boa relação entre as crianças é fundamental para um bom funcionamento do grupo em si e com os adultos que o acompanham, bem como evita a existência de muitos conflitos. No entanto é necessário estar atento a todos os pormenores e no caso de surgir um desafio onde seja necessária a ajuda de alguém para o ultrapassar, devemos sugerir à criança que peça ajuda a outra criança fazendo com que sejam mais independentes do adulto, para que se sintam úteis uns para com os outros e ainda para fomentar o sentimento de ajuda e cooperação.É pertinente referir que alguns valores, como o respeito e a cooperação, estão directamente envolvidos na interajuda entre pares e entre criança/adulto (e vice-versa), desta forma, agradecer quando se é ajudado, pedir desculpa quando se é indelicado ou solicitar a ajuda de alguém, são factores importantes para as crianças se desenvolverem  como grupo e como pessoas individuais.

Este momento refere-se a uma actividade de pintura onde a menina com a camisola cor-de-rosa claro ajuda todas as outras crianças a puxar para baixo as mangas da camisola. Ela sentiu-se tão útil que repetiu o gesto a todos aqueles que iam acabando de pintar.Podia eu perder momentos como este? Podia, mas não era a mesma coisa.

As crianças ajudam-se entre si sem quererem receber nada em troca e muitas vezes sem ninguém lhes pedir...deveríamos ser todos assim.

A nossa Rotina Diária

“O que se passa agora?”
“ O que é que fazemos a seguir?”
“ Quando é que temos tempo para...?”
“Quando é que vamos para...?"

As crianças encontram respostas a este tipo de questões através de uma rotina e ao mesmo tempo oferecer-lhes uma serie de acontecimentos sequenciais, que são seguidos e compreendidos por elas. Também ajuda os adultos a organizar o tempo , de modo a proporcionar situações de aprendizagem activa para as crianças.
A rotina diária se for consistente (embora possa ser flexível) concede às crianças tempo suficiente para explorar os seus interesses, fazer escolhas, tomar decisões e resolver os problemas que possam surgir.


ACOLHIMENTO

Cantamos os bons dias, dizemos bom dia um a um, contamos novidades, mostramos objectos que trazemos de casa, vemos como está o tempo e reparamos se falta alguém...

GRANDE GRUPO

Cantamos canções, fazemos jogos, ouvimos histórias, vamos ao recreio, dançamos e conversamos...

PEQUENO GRUPO

Fazemos pinturas, desenhos e colagens, jogamos legos, lemos livros, brincamos com os animais e com os bebés...

REFEIÇÃO

Comemos quase sempre tudo, embora às vezes com pouca vontade, aprendemos a pegar nos talheres, a beber sozinhos pelo copo, a limpar a boca e a estar bem sentados à mesa...

HIGIENE

Aprendemos a não precisar de fralda e a ir sozinhos à casa de banho, a lavar os dentes e a lavar e limpar as mãos..

DESCANSO

Tiramos os sapatos, fazemos silêncio e pouco a pouco adormecemos..




Ps- A Rotina diária varia consoante as idades do grupo de crianças.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

O que a música faz



O desenvolvimento da percepção auditiva é um dos pilares da construção do conhecimento musical. Existe uma relação entre a qualidade do ambiente musical que é vivido na infância e a capacidade de uma pessoa adulta entender os elementos da música.
É desde cedo que a música transmite tranquilidade,não é por acaso que há estudos que provam os seus benefícios quando o bebé ainda se encontra no ventre da mãe, tornando-se ao longo de toda a vida um elemento importante a vários níveis.
Assim, a música quando é bem trabalhada desenvolve o raciocínio, a criatividade, a auto disciplina,a consciência rítmica e estética e outras aptidões fundamentais, por isso, deve ser aproveitada nas actividades educacional desde a Creche/Jardim-de-Infância.
Os instrumentos musicais não são, para as crianças, apenas objectos que fazem "barulho". Além de lhes dar imenso prazer poder explorá-los à sua maneira, eles são muito bons para desenvolver a coordenação motora e a memória.
A música ainda beneficia na fala, através das músicas infantis, onde as sílabas se repetem e rimam, fazendo com que as crianças a pouco e pouco entendam o significado das palavras com o auxílio dos gestos que se fazem ao cantar.
Em conclusão... aprendemos muito com a música, e quanto mais cedo melhor ;)

Quantas músicas e sons nos lembram a nossa infância?
Quantos sentimentos e emoções são "revividos" quando ouvimos músicas especiais?

Muitos, de certeza!

Nota: Um bom exercício de audição é tentar adivinhar os instrumentos que estão a ser tocados no vídeo :D

(vídeo: Sala 2 da Creche;Centro Infantil "A Gaivota", os meus meninos a tocar instrumentos musicais.)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Semana da Água

Em consequência da comemoração do Dia Internacional da Água do dia 22 de Março decidimos realizar a Semana da Água do dia 22 ao dia 26 no mesmo mês.
Além de todo o trabalho pedagógico realizado em cada sala de actividades, o mais surpreendente foi a colaboração dos pais que permitiu um grande envolvimento das crianças nesta actividade, o que eu considero bastante positivo.
Durante toda a semana estiveram expostos os trabalhos realizados em família. A exposição estava de facto bastante interessante e é nestas alturas que se percebe que quando as pessoas se empenham os resultados falam por si mesmos.
As crianças das salas 3 da Creche e 1e2 do Jardim-de-Infância além de terem ido à Rádio de Esposende dizer alguns dos princípios da Carta Europeia da Água, ainda foram "à rua", no dia 22, distribuir mensagens e pulseiras sobre a água e foi uma iniciativa muito apoiada por toda a comunidade.
Na nossa sala fizemos actividades muito engraçadas, pintámos um grande papel de cenário em tons de azul onde utilizámos tintas e pincéis, posteriormente trabalhámos e decorámos vários animais aquáticos para colocarmos no nosso "mar", ouvimos histórias e cantámos músicas alusivas ao tema e ainda fizemos algumas experiências com água.
Apesar de serem crianças pequenas (1 e 2 anos de idade) foi muito gratificante poder observar o entusiasmo e empenho com que se dedicaram às actividades.


Site da Assinjepe Centro Infantil "A Gaivota", onde podem ser vistas as fotos dos trabalhos realizados pelos pais em conjunto com as crianças. Basta clicar em "Informações;  Imagens alusivas ao Dia da Água":

Carta Europeia da Água:

Jornal de Esposende, onde fazem referência à Semana da Água (página 18):
http://www.esposendetv.com.pt/?jornal&cod=5

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Era uma vez um espelho...



 Hoje dei por mim a pensar nas várias utilidades de um espelho, e de facto existem algumas bastante importantes, mas foi naturalmente sobre a mais óbvia que me debrucei.
Todos nós olhamos para um espelho durante a nossa rotina diária, antes de sair de casa, no carro, numa montra de uma loja (quando até os vidros servem de espelho), no trabalho, no wc ou quando chegamos a casa, e na maioria das vezes todos o fazemos simplesmente por fazer, por olhar, com ou sem razão especial, uns mais e outros menos!
Na verdade, existem vários espelhos nos sítios onde passo a maior parte do  tempo, refiro-me especialmente ao meu local de trabalho. Não é uma sala muito grande e chega bem para nós, 10 crianças e 2 adultos, mas além de muitas outras coisas tem dois espelhos. Não têm certamente a mesma utilidade daqueles que todos temos em casa, servem principalmente para as crianças se observarem, e isso por si só é uma aprendizagem fantástica.
A descoberta do "eu existo", "eu tenho isto" ou "eu sou assim" é feita (também) através da observação e exploração de si mesmo, e o espelho é sem dúvida um óptimo auxiliar!
É extraordinário ver uma criança a tocar , a fazer caretas, a dar beijos, a sorrir ou até mesmo a falar com um espelho, e eu dou graças a Deus por ver isso todos os dias.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Bandura e a Aprendizagem Social


  A experiência dos outros pode levar à aquisição de novos comportamentos, isto é, podemos adquirir um comportamento a partir da observação de um modelo, através de um processo psicológico chamado modelação (que integra a observação, a imitação e a integração).
  As crianças, mais do que qualquer adulto, tendem a integrar novos comportamentos no seu quadro de respostas através da observação directa dos comportamentos dos modelos. No entanto, há alguns factores que favorecem esta aprendizagem social, nomeadamente a atenção, a motivação, a noção de expectativa ou competência, as características pessoais de quem aprende e ainda as características do modelo (idade, género, estatuto e proximidade afectiva).

Nós, mães, pais, educadores, professores, enfim, modelos sociais e parte integrante do desenvolvimento das crianças...

                 ...não deveríamos dar o exemplo????

Dá-me as Tuas Mãos





As mãos foram feitas
para trazer o futuro,
encurtar a tristeza, encher
o que fica das mãos
de ontem - intervalos
(duros, fiéis) das palavras,
vocação urgente
da ternura, pensamento
entreaberto até
aos dedos longos
pelas coisas fora
pelos anos dentro.



 








Poema : Vítor Matos e Sá, in 'Companhia Violenta'

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Ser Educadora é...

Além de ensinar e aprender é também 
receber pequenas coisas que nos fazem sentir grandes:

beijos e abraços
"estava com saudades tuas"
sorrisos de felicidade
choros de saudade
olhares reconfortantes
cantorias alegres
desenhos espontâneos
"gosto muito de ti"

...

 O Melhor do Mundo :)